quinta-feira, 23 de junho de 2016

SERÁ QUE POSSO?

EU SÓ QUERO TRABALHAR.

Meu Deus, quando terei paz para trabalhar.

Prezados amigos, eu amo a feira, eu vivo a feira, almoço e janto a feira, eu passeio a feira, viajo a feira, eu preciso da feira, então, não posso aceitar passivamente que destruam aquilo que mais amo na minha vida, que eu e minha família mais precisamos, o nosso local de trabalho, isso eu não vou aceitar, quero o meu espaço, foi construído por mim.

Eu sei que na feira tem pessoas que não serve para a feira, tem pessoas que são uma benção para feira, tem pessoas que usam a feira como se fosse um banco, só estão lá quando precisam de dinheiro. Mas eu também sei que a maioria dos que estão lá, só querem trabalhar e levar para casa o sustento de sua família, criar empregos para seus vizinhos, com o seu empenho em se transformar em um empreendedor, criar riquezas para o bairro e para a cidade, tudo pautado dentro de um principio social, e dá para trabalhar assim, é só tirar as pessoas que não sabem trabalhar em conjunto com outras pessoas, não procuram o bem estar de todos, só o seu é que serve, assim não dá.

Mas nós somos capazes e podemos mudar a situação, tanto na feira como na cidade, é só lembrar que em outubro temos eleições, para Vereadores e Prefeito, sabem o significado disso? Pois eu digo, podemos mudar o País começando pela nossa cidade, gente, vamos mudar isso ai, não podemos aceitar os acontecimentos, que ouvimos a todo instante, que somos roubados, e nos roubam o que é nosso e o pior nós deixamos e não fazemos nada, adianta depois reclamar? NÂO, já foi, temos que agir antes. Vamos eliminar o mal antes que ele comece a nos afetar. Na Câmara temos que prestar muita atenção na escolha dos vereadores, pois são eles que cuidam da nossa vida, criam leis, fiscalizam e determinam o que o Prefeito pode fazer.

Na feira é a mesma coisa, temos que agir se rebelar, ser contra toda ação que coloca em risco o trabalho dos comerciantes, não se pode aceitar que sejam tirados os nossos locais de trabalho e não podemos deixar tirarem e só depois querer correr atrás, ai não dá mais, já fomos ofendidos naquilo que é mais sagrado para nós, o nosso local de trabalho, que construímos com muita luta e não podemos aceitar, nunca ... que pessoas sem qualquer principio social, nos venham tirar o nosso trabalho sem qualquer explicação, queremos sim uma explicação, porque merecemos essa explicação. Não aceitamos papinhos, queremos uma conversa seria, ou esperem... uma hora ela vai chegar e vai acontecer, e quando chegar, já acabou a paciência, ai... não teremos mais conversa.


A FEIRA PRECISA URGENTE DE PESSOAS SÉRIAS, QUE COLOQUEM PARA O POVO A VERDADE DOS FATOS, COMO ELE É, SEM FANTASIA OU PESSIMISMO, PARA QUE POSSAM TOMAR AS DECISÕES SEM MEDO.


MAS ISSO DEPENDE DE MIM, DE VOCE, DO SEU VIZINHO E DOS SEUS AMIGOS. BASTA QUERERMOS ESSA SOLUÇÃO, SEM RECLAMAR E SIM ARRUMANDO SOLUÇÕES. EU ESTOU AQUI E VC ONDE ESTÁ?  FAÇAMOS A CORRENTE, SÓ ASSIM SEREMOS FORTES.



CR - COMISSÃO DA REFORMA
GRUPO Luta e Trabalho – 24/06/2016

segunda-feira, 20 de junho de 2016

PARTE DA SENTENÇA 20/06/2016

SENTENÇA 24º VARA FEDERAL

(O caráter cautelar)
O procedimento cautelar, cuja finalidade consiste apenas, segundo a concepção clássica, em assegurar, na  medida do possível, a eficácia prática de  providências, quer cognitivas, quer executivas.
A necessidade do procedimento cautelar está na situação de dano iminente quando as formas ordinárias (normais) seriam ineficazes. Isso explica o caráter urgente das providências cautelares sem a chance de uma cognição (conhecimento) plena a formar um juízo de certeza. Contenta-se com a averiguação provisória do juízo de probabilidade acerca da existência do direito alegado, (presume-se a existência do direito requerido) a par da convicção de que, na falta de pronto socorro,(intervenção), ele sofreria lesão irremediável ou de difícil reparação.

24º VARA FEDERAL DE SÃO PAULO

É visando evitar maiores prejuízos à União Federal, ao Município e mesmo ao Concessionário, SUSPENDO, em caráter cautelar, a execução do contrato de concessão firmado pelo município com o concessionário da área, impondo ao Município a obrigação de DETERMINAR AO CONCESSIONÁRIO QUE:
1-    Eventuais pagamentos vincendos (que vai vencer) decorrentes da concessão, tanto ao município, como para a União Federal, nas datas dos respectivos vencimentos, sejam depositados na Caixa Econômica Federal, Posto de Justiça Federal, vinculados a presente ação;
(todos os pagamentos que vier a vencer deverão ser depositados na Justiça Federal)

2-    Apresente demonstrativo dos pagamentos já efetuados ao município e para a União, decorrentes da concessão;
(comprovar todos os pagamentos realizados para o Município e para a União)

3-    Apresente nos autos: indicação especifica das benfeitorias necessáriasrealizadas no Pátio do Pari, acompanhada do respectivo custo das mesmas e;
(deverão ser apresentadas no processo, todas as melhorias realizadas e o quanto custou)

4-    Apresente nos autos, as plantas contendo a aprovação do município das novas construções realizadas na feira, inclusive novos boxes bem como das demolições realizadas.
(apresentar as autorizações do Município para as novas construções realizadas na feira, construções e demolições)




Considerando a total presunção de idoneidade do Município, aliada a permanente disposição de auxilio à justiça. DETERMINO ao Município de São Paulo que, em Caráter cautelar e provisório:
(para que não seja provocado um prejuízo de difícil reparação)

1)    REASSUMA a administração do Pátio do Pari, PROMOVENDO a recomposição da Feira da Madrugada adaptada ao projeto “as building” Por ela realizado, instalando os comerciantes em posição geográfica equivalente à existente por ocasião da cessão da área da União para o município;
(a Prefeitura deverá assumir a administração do Pátio do Pari, e colocar os comerciantes instalados de acordo com o posicionamento dos boxes quando da cessão da área pela União)

2)    Apresente nos autos, os projetos executivos de obra e melhoramentos realizados e a serem realizados pelo concessionário objeto de aprovação pelo município atendendo, inclusive as limitações relacionadas às áreas de preservação ao longo de rios;
(apresentar os projetos de melhoramento prometidos na licitação)

3)    Apresente nos autos, APROVAÇÃO DO Corpo de Bombeiros sobre a segurança da Feira da Madrugada;

4)    Que realize, por meio de suas equipes de fiscalização, levantamento do Pátio do pari, apresentando as conclusões, dos seguintes pontos reputados de interesse para o conhecimento do Juízo, no escopo da presente ação visando sindicar eventuais prejuízos da União em razão de ilegalidades cometidas tanto na formação como na execução de Contrato de Cessão de bem não operacional da RFFSA, diante da repercussão em eventual reversão da administração para a União Federal:

(realizar um levantamento, apresentando conclusões que ajudem o Juízo a definir os prováveis prejuízos da União diante das ilegalidades cometidas.)

a)    – preservação das vias de acesso de veículos do Corpo de Bombeiros conforme previsto na reforma da feira para atender esta exigência.
(Desobstruir todas as rotas de fugas e acesso dos veículos do Corpo de Bombeiros, conforme a reforma executada.)

(continua) 




CR - COMISSÃO DA REFORMA  20/06/2016

PARTE DA SENTENÇA 20/06/2016

SENTENÇA 24º VARA FEDERAL

(O caráter cautelar)
O procedimento cautelar, cuja finalidade consiste apenas, segundo a concepção clássica, em assegurar, na  medida do possível, a eficácia prática de  providências, quer cognitivas, quer executivas.
A necessidade do procedimento cautelar está na situação de dano iminente quando as formas ordinárias (normais) seriam ineficazes. Isso explica o caráter urgente das providências cautelares sem a chance de uma cognição (conhecimento) plena a formar um juízo de certeza. Contenta-se com a averiguação provisória do juízo de probabilidade acerca da existência do direito alegado, (presume-se a existência do direito requerido) a par da convicção de que, na falta de pronto socorro,(intervenção), ele sofreria lesão irremediável ou de difícil reparação.

24º VARA FEDERAL DE SÃO PAULO

É visando evitar maiores prejuízos à União Federal, ao Município e mesmo ao Concessionário, SUSPENDO, em caráter cautelar, a execução do contrato de concessão firmado pelo município com o concessionário da área, impondo ao Município a obrigação de DETERMINAR AO CONCESSIONÁRIO QUE:
1-    Eventuais pagamentos vincendos (que vai vencer) decorrentes da concessão, tanto ao município, como para a União Federal, nas datas dos respectivos vencimentos, sejam depositados na Caixa Econômica Federal, Posto de Justiça Federal, vinculados a presente ação;
(todos os pagamentos que vier a vencer deverão ser depositados na Justiça Federal)

2-    Apresente demonstrativo dos pagamentos já efetuados ao município e para a União, decorrentes da concessão;
(comprovar todos os pagamentos realizados para o Município e para a União)

3-    Apresente nos autos: indicação especifica das benfeitorias necessáriasrealizadas no Pátio do Pari, acompanhada do respectivo custo das mesmas e;
(deverão ser apresentadas no processo, todas as melhorias realizadas e o quanto custou)

4-    Apresente nos autos, as plantas contendo a aprovação do município das novas construções realizadas na feira, inclusive novos boxes bem como das demolições realizadas.
(apresentar as autorizações do Município para as novas construções realizadas na feira, construções e demolições)




Considerando a total presunção de idoneidade do Município, aliada a permanente disposição de auxilio à justiça. DETERMINO ao Município de São Paulo que, em Caráter cautelar e provisório:
(para que não seja provocado um prejuízo de difícil reparação)

1)    REASSUMA a administração do Pátio do Pari, PROMOVENDO a recomposição da Feira da Madrugada adaptada ao projeto “as building” Por ela realizado, instalando os comerciantes em posição geográfica equivalente à existente por ocasião da cessão da área da União para o município;
(a Prefeitura deverá assumir a administração do Pátio do Pari, e colocar os comerciantes instalados de acordo com o posicionamento dos boxes quando da cessão da área pela União)

2)    Apresente nos autos, os projetos executivos de obra e melhoramentos realizados e a serem realizados pelo concessionário objeto de aprovação pelo município atendendo, inclusive as limitações relacionadas às áreas de preservação ao longo de rios;
(apresentar os projetos de melhoramento prometidos na licitação)

3)    Apresente nos autos, APROVAÇÃO DO Corpo de Bombeiros sobre a segurança da Feira da Madrugada;

4)    Que realize, por meio de suas equipes de fiscalização, levantamento do Pátio do pari, apresentando as conclusões, dos seguintes pontos reputados de interesse para o conhecimento do Juízo, no escopo da presente ação visando sindicar eventuais prejuízos da União em razão de ilegalidades cometidas tanto na formação como na execução de Contrato de Cessão de bem não operacional da RFFSA, diante da repercussão em eventual reversão da administração para a União Federal:

(realizar um levantamento, apresentando conclusões que ajudem o Juízo a definir os prováveis prejuízos da União diante das ilegalidades cometidas.)

a)    – preservação das vias de acesso de veículos do Corpo de Bombeiros conforme previsto na reforma da feira para atender esta exigência.
(Desobstruir todas as rotas de fugas e acesso dos veículos do Corpo de Bombeiros, conforme a reforma executada.)

(continua) 




CR - COMISSÃO DA REFORMA  20/06/2016

terça-feira, 31 de maio de 2016

DEPOSITO EM JUIZO.


  
1.   Quem discordar do valor ou da legalidade de uma cobrança, como da mensalidade escolar, uma prestação ou uma dívida antiga, e o credor não quiser receber o valor tido como correto, poderá o devedor depositá-lo em juízo para liberar-se da dívida.

2.   Com o advento da lei 8.951, em vigor desde de fevereiro de 1995, o cidadão poderá proceder com extrema rapidez facilidade o depósito de valores em juízo.

3.   primeiro passo é dirigir-se a uma agência de um banco oficial (Caixa Econômica Federal, etc.) e depositar o dinheiro em uma conta com correção monetária, sempre informando ao funcionário do Banco sobre a finalidade, pois a conta é especial.

4.   Em seguida ao depósito efetuado o devedor tem o prazo de cinco dias para comunicar ao credor que o depósito foi efetivado.

5.   A comunicação deve ser feita por meio de correspondência registrada, protocolada, ou enviada pela via de Cartório de Registro de Títulos e Documentos. O importante é comprovar que foi feita a comunicação nos termos que a Lei exige.

6.   Quando o credor recebe a comunicação terá um prazo de dez dias para optar por sacar o valor do depósito e não dar qualquer resposta, ou não aceitar o valor depositado, explicando formalmente o porquê da sua recusa.

7.   Na Hipótese do credor sacar o dinheiro depositado, ou deixar de responder no prazo legal, o devedor estará liberado da dívida e o recibo bancário com a comunicação formarão o documento hábil para comprovar a quitação de sua dívida, entretanto, se o credor formalmente não aceitar o depósito, o devedor terá o prazo de 30 dias para ingressar em juízo com uma ação de consignação em pagamento, neste caso por intermédio de um advogado.

8.   Ao peticionar, o advogado pedirá que o juiz fixe uma data para que o credor compareça ao cartório para receber o crédito oferecido. Se ele não for, é deferido o depósito em juízo e começará a discussão judicial que somente será definida pela sentença do juiz.

9.   Como o processo pode ser demorado, em alguns casos poderá levar anos para a decisão final, se a dívida for em prestações, o Devedor deverá continuar depositando, à disposição do juiz, as demais parcelas, juntado no processo os respectivos comprovantes dos depósitos.

10.               Ao fim do processo, se o Devedor lograr êxito como vencedor da demanda, o credor será compelido a receber os valores depositados e será condenado no pagamento das custas e dos honorários de advogado, entretanto, se o Devedor perder, deverá pagar a diferença pretendida pelo credor e ainda os honorários de advogado, custas judiciais e as multas eventualmente contratadas.



Feira da Madrugada Comissão da Reforma  
Grupo Luta e Trabalho
CR - Comissão da Reforma

31/05/2016


domingo, 22 de maio de 2016

Mamãe, quero colo.

Mamãe, eu te adoro.

Ei, você, diga logo.

Voce precisa da minha alma?

O que você quer de mim?

Acabou.

Acreditei em tudo que você me PROMETEU.

Sempre achei que você seria capaz de promover as mudanças necessárias.

É, promover as mudanças que eu precisava.

Precisavam de mim, sabia?

Fui iludida, enganada e abandonada.

Tirastes-me o que eu tinha de melhor.

O que me dava dignidade.

O que me dava prazer.

Que me fazia alguém.

Fui largada, abandonada, como um cachorro sem dono.

Tu aproveitaste de mim, me usou, tirou tudo o que eu tinha e foi embora.

Tu deste risada, afrontou os meus sentimentos, me desiludiu.

Entregou-me a outras mãos, sem se preocupar com meus sentimentos.

Sofro uma dor sem limites, que nunca terá fim, não consigo esquecer.

O desprezo, a vergonha e o maltrapilho que me tornei.

Você deveria ter cuidado de mim com muito mais carinho e respeito.

Hoje estou fraca, sem forças para lutar, não consigo ver o futuro.

E a culpa foi sua, apenas me explorou, sugou o que eu tinha de melhor.

As assombrações voltaram e me assustam.

Estão fortes, destemidas, com mais vontade de sugar o meu sangue.

O que faço?

Quem deveria cuidar de mim era voce, me entregou, me deu em leilão

Não estou feliz, não tenho futuro, e não sei o que fazer.

Também fui abandonada pelos meus filhos, não fazem e nunca fizeram nada.

Sei que estou perto do fim, vou morrer, deixarei muitas saudades, eu sei.

Todos vão sentir saudades, mas será tarde demais, terei dado o meu ultimo

suspiro.

Não sei se sentirei saudades, se terei raiva ou se foi bom enquanto durou.

Mas digo:

A PREFEITURA DE SÃO PAULO, O CONSORCIO QUE RECEBEU A LICITAÇÃO, DESTRUÍRAM O MAIOR CENTRO DE CRIAÇÃO DE EMPREGOS DE SÃO PAULO. O MAIOR CENTRO DE TURISMO DE COMPRAS DO BRASIL.


TUDO REGADO A PROPINA E ACERTOS ESCUSOS, QUE PENSAM QUE NINGUÉM SABE.

TUDO ME PROVOCA DOR, MAS O QUE MAIS ME DOI É A OMISSÃO DOS TRABALHADORES DA FEIRA DA MADRUGADA, NADA FAZEM OU FIZERAM PARA MUDAR O RUMO DA HISTORIA, MORREM DE MEDO DE ME PERDEREM, MAS JÁ ME PERDERAM, APENAS NÃO QUEREM VER, NUNCA SEREI MAIS A MESMA, ESPEREM, QUEM SABE OS SEUS PROBLEMAS ESTARÃO RESOLVIDOS. O MEUS JÁ ESTÃO, TCHAU, FUI, É UMA PENA, MAS NÃO TEM JEITO.ACABEI,  ADEUS BOA SORTE PARA QUEM ACHÁ-LA.



Feira da Madrugada (quase póstuma)


(A Feira da Madrugada está indo, mas deixa saudades do seu passado, destruído pela ganância desenfreada e incapacidade do Poder Publico e empresários, que não possuem capacidade de administradores e alguns filhos, que amanhã sairão da cadeia para visitar a mãeDepois de morta.).




GRUPO Luta e Trabalho

CR - COMISSÃO DA REFORMA


21/05/2016

segunda-feira, 4 de abril de 2016

ESSE É O MEU, E O SEU?

Meu grito - LIBERDADE E RESPEITO

Meus caros amigos da Feira da Madrugada. É com enorme preocupação que vejo o rumo que está tomando a Feira da Madrugada, cada dia mais apagada, cada dia mais largada e um abandono completo. Pena que é o nosso local de trabalho.

Aos trabalhadores da Feira: até quando vamos esperar que as coisas melhorem? Já passou o ano de 2010, já passou o de 2011 e nada aconteceu, esperamos para ver o que aconteceria no ano de 2012, mas nada aconteceram a não ser a Prefeitura que a todo o momento tirava os nossos direitos.

 Mas mesmo assim o povo da Feira ainda esperava que algo acontecesse e que traria uma melhora nas vendas e acabaria com a enorme bagunça que estava sendo criada. Sem trabalho, com a feira fechada para reforma tivemos uma surpresa. A Prefeitura nos tirou vários boxes, por conta da pirataria e por conta do acerto para fazer a licitação, nos tiraram todos os boxes que estavam em nome de uma só pessoa, não ligou se pertencesse à outra pessoa, a ordem era eliminar o maior numero de Box possível, para ficar mais fácil para o consorcio.

O POVO NADA FEZ, APENAS ACEITOU TUDO COMO SE FOSSE NORMAL.

Diante da apatia do povo, a Prefeitura tomou mais coragem. Largou a feira por conta de sua própria. Houve uma bagunça enorme que acabou acelerando a licitação. Tida como a única chance de melhorar a feira, que só assim estaríamos sob a administração de uma empresa de gabarito, que traria para feira uma administração moderna, apaziguadora, com um enorme progresso, um modelo. E tome mais um golpe nos trabalhadores. Que apenas esperavam as melhorias. Estão esperando até agora.

O Consorcio depois de fazerem várias promessas de arrumação, com paralisação do comercio e criar o descrédito entre os nossos clientes, que procuraram outros lugares para as suas compras. Estão agora tratando os trabalhadores como gado, menos que gado, não nos dá as condições de trabalho prometida, nos coloca diante de enormes filas, para tudo, até para pedir uma informação temos que pegar uma fila e receber uma informação de pessoas que nem sabem por que estão ali, deixando o povo com os nervos na flor da pele.

O espanto é que a Secretaria do Trabalho, que deveria estar presente nos atos praticados pela empresa dentro da feira, nunca apareceu, nunca esteve presente e nem deve saber das coisas que acontecem. Por quê? Não sei, mas é assim.

Hoje dia 04/04/2016, uma parte do povo se revoltou com os desmando e a falta de atenção com o nosso trabalho. A empresa faz o povo ficar numa fila, que mais parece uma fila de gado indo para o matadouro, triste, descontente, mas sem nada fazer, mas acredite, enquanto uma parte brigava por mais direitos, outra parte continuava na enorme fila para pegar um boleto para pagar o aluguel de seu Box, que demorava mais ou menos 4 horas para receber o boleto e pasmem, acontecia a maior bagunça e a maior revolta por mais atenção do consorcio que faz os trabalhadores parecerem um grupo de ovelhas, diante das desfeitas que praticam sem o menor respeito para com as pessoas, que agora são os seus inquilinos. O povão na fila, em pleno sol, não se mexeram, ficaram passivamente quietos e em ordem.

  Ai perguntamos ao povo da Feira da Madrugada: Povo, já prestaram atenção numa foto da maquete da futura feira? Pois prestem, eles nos mandam um recado por aquela foto, é como querem que seja o nosso comportamento. VOCE ACEITA?

Pois bem, boa parte não aceita e quer de qualquer forma a nossa organização e o fim da passividade, com uma VOZ de comando e capacidade de dialogar e mostrar que não aceitamos ser tratados como naquela foto.

QUEREMOS ELEIÇÃO PARA ELEGER OS NOSSOS REPRESENTANTES, ESTAMOS PREPARANDO O MATERIAL QUE PUBLICAREMOS AS NORMAS PARA A NOSSA ELEIÇÃO E COMO ELA SERÁ REALIZADA. CONVOCAMOS A PARTICIPAÇÃO DE TODOS OS TRABALHADORES DA FEIRA DA MADRUGADA QUE NÃO ACEITAM MAIS SEREM TRATADOS COM DESRESPEITO QUE ESTÃO NOS TRATANDO, CHEGA, NÃO QUERO MAIS VIRAR FOTO DE MURAL DE PROPAGANDA DO CONSORCIO. 




CR - COMISSÃO DA REFORMA - 04/04/2016
GRUPO - Luta e Trabalho

quarta-feira, 2 de março de 2016

AMANHÃ NÃO SERÁ COM VOCE?


COISAS DA FEIRA DA MADRUGADA


O que está acontecendo? Ninguém sabe responder. Todos esperavam, inclusive aqueles que eram contra a licitação, que a empresa ganhadora do certame, chegaria à feira com um projeto de procedimentos e de organização pronto, bastaria empregar na feira para organizarem e acabar com o errado, que vinham acontecendo na feira. Mas não foi. A maior decepção de todos da feira, foi ver a desorganização que estão aprontando com a feira e, novamente que paga somos nós, aceitamos tudo e da forma que vier, não sei por quê? Até quando vamos ser obrigados aceitar tudo que nos é imposto.

Só para mostrar o quanto nada significamos para o consorcio: pediram para nos assinarmos os contratados, fomos lá e assinamos, exigiram que abandonássemos os nossos boxes e tivéssemos um trabalho tremendo para deixá-los vazios, deixamos, vc sabe o porquê? Eu não sei.

Houve a promessa do Consorcio de que todos teriam o mesmo tratamento a partir da imissão da posse, que não haveria a cobrança de condomínio, todos pagariam o mesmo valor, até a construção da nova feira, está gravado, todos da feira e fora da feira sabem dessa promessa do Consorcio. Ai perguntamos?

PORQUE QUEREM IMPLANTAR O TERROR NA FEIRA, PORQUE AS MENTIRAS OU FALTA DE VERDADES, Não somos crianças e exigimos respeito com os trabalhadores da feira. Acreditamos sim nas falas do Consorcio e sabe porque? Queremos que essa enrolação acabe logo, queremos trabalhar, o nosso espaço está sendo tomado por outros centros e estamos preso a promessas sem sentido, prestação de serviço administrativo desastrosa, sem o mínimo de desenvoltura para a coisa.

E MAIS, NÃO PRECISAMOS QUE CRIEM A NOSSA REPRESENTAÇÃO, SOMOS CAPAZES E VAMOS ESCOLHÊ-LAS DE ACORDO COM A NOSSA VONTADE, SE ERRARMOS SEREMOS NOS QUE ERRAMOS. NÃO ACEITAMOS QUE IMPONHAM UMA ASSOCIAÇÃO GARGANTA ABAIXO SEM NENHUMA CONSULTA AOS REPRESENTADOS, NA TENTATIVA DE ENGANAR A TODOS E PIOR AINDA, DIZEM QUE FOI ENGANO, NÃO SABIAM. Pois é, agora queremos e exigimos uma relação de gente responsável, afinal estão lidando com mais de 5.000 (cinco) mil famílias que dependem do local para levar o seu sustento a sua família.

DOS TRABALHADORES DA FEIRA

- SECRETÁRIO ATÉ AGORA FOI CUMPRIDO O ACERTADO COM O SR.  EM REUNIÃO COM UM GRUPO DA FEIRA, PORQUE NÃO EXIGIR A MESMA POSTURA DO CONSORCIO, LEMBRA... SR. PROMETEU E ACONTECEU, NÃO HOUVE A VONTADE DE ENGANAR, O SR. AINDA PROMETEU QUE ESTAVA DO NOSSO LADO E ESTARIA ACOMPANHANDO TUDO. È ISSO, NÃO CUSTA COBRAR JUSTIÇA A UM POVO QUE JÁ FOI TREMENDAMENTE INJUSTIÇADO.

OBS: Como informação, os boletos entregues aos companheiros trabalhadores com a cobrança de condomínio não é para pagar, procurem o consorcio que eles estão trocando o boleto. Valor que todos devem pagar - R$ 910,00 (novecentos e dez reais).

De acordo com o acertado com o consorcio e o grupo de trabalhadores, que não seria cobrado o condomínio desse primeiro mês, como estava sendo cobrados daqueles que não possuem o antigo TPU, que foram todos cancelados, mas nada garante que não queiram cobrar daqui para frente. PRESTEM ATENÇÃO, HOJE É COM UM GRUPO DA FEIRA E AMANHÃ NÃO SERÁ COM VOCE?.



GRUPO – Luta e Trabalho.

CR – COMISSÃO DA REFORMA